Carta aberta a kenard Kruel Fagundes


Meu caro, Urso Hibernador,

Bom dia!


Tenho acompanhado, nos últimos meses,  a tentativa dos vira-latas fascistas de quererem usurpar o poder legitimamente eleito pela maioria do povo brasileiro e entregue mais uma vez a Dilma Rousseff em outubro de 2014. E tive acompanhando, também, o teu silêncio inicial diante das investidas dos golpistas(mídia golpista ou o quarto partido da oposição, poder judiciário venal, partidos corruptos e a classe média que vai aos restaurantes aos domingos), e compreendi este teu afastamento por questões de saúde, justificável do ponto de vista da nossa amizade eterna.

Mas fiquei alegre mais ainda ao ver, nas últimas semanas, teu empenho e tua militância aflorarem magnífica e necessária pelas qualificações intelectuais, pelo belo texto e pelas argumentações sempre pertinentes para desespero destes vira-latas que pululam no nosso amado Piauí, nossa sempre acolhedora Teresina novamente. E você como articulista em favor de uma bela causa tem meu apoio incondicional diante das investidas desta canalha transvertida de intelectualismos de gabinete e outros afins.

Meu caro, Urso Hibernador, devemos lembrar, também, que fomos enxotados  do Partido dos Trabalhadores pelos neopetistas do Piauí por percebermos que a nossa utopia política cairia  nas  tentações do poder como caiu e não imputa sobre mim, você e tantos outros companheiros nenhum peso de consciência pelos desvios ideológicos e morais que estes petistas impuseram a nossa utopia. Mas o momento não é de ladainhas de arrependidos e nem de lamúrias sobre o leite derramado como dizia prontamente meu avô paterno João de Deus Alves, músico dos melhores e antiudenista ferrenho, o momento é de uma causa maior que os vira-latas revanchistas não querem perceber, a luta, digo, a nossa luta agora ultrapassa o PT, Lula, Dilma e a esquerda, é a luta pela manutenção da democracia e da liberdade com "L" maiúsculo, é nela que devemos fincar "pé, mãos, coração e face" mesmo com as debilidades físicas que adquirimos nos nossos exílios particulares: eu, em Tuntum, você em Tutoia onde construiu sua ilha, seus novos sonhos.

Não se preocupe, Velho Urso Hibernador, estamos a postos contra a canalha golpista, contra os vira-latas revanchistas e contra os que querem o ódio destilado nas esquinas da nossa amada pátria brasileira, negra e mulata, crendo no que diz o poeta campesino Pedro Casaldáliga na sua Canção da Foice e do Feixe:

"Creio na Internacional
das frontes alevantadas,
da voz de igual a igual
e das mãos enlaçadas...
E chamo a Ordem de mal,
e ao Progresso de mentira.
Tenho menos paz que ira.
Tenho mais amor que paz."


Conte comigo sempre.

Abraços,

Emerson Araújo

Tuntum(MA), Março/2016

0 comentários: