Pêsames



Conheci Arnaldo Albuquerque numa manhã de quarta-feira final de 1978 na Livraria Punaré "point" dos artistas e intelectuais de esquerda aquela época em Teresina. Ele no cartum e artes plásticas, eu, william melo soares, menezes y moraes, francisco eduardo lopes, kenard kruel, fernando s. costa, assai campelo, toinho e tantos ali construindo sonhos na poesia, fotografia e outras e tantas artes. Valeu, Arnaldo!!! Como na música de pierre baiano, a morte é covarde, né, arnaldo?

Nenhum comentário: