A poesia da semana


Foto: Arquivo digital Google


A cidade


Emerson Araújo


Para William Melo Soares


Uma cidade

Não é um rio

Nem uma lâmina d’água

Solta nas suas vilas

Talvez seja ela

(a cidade)

Uma pétala cor de rosa

Sobre a calçada

Olhares apressados

Ou quem sabe um desenho

Tortuoso na mão do poeta

A cidade

Suspira gotas de lágrimas

Quando seus mortos partem

Sob o címbalo da matriz

Ou no culto de fim de tarde

Para outro território

Alcunha de artista

Acordes de viola caipira

Apenas teimamos em eleger

A cidade

Como símbolo de saudade

Ou dor no pensamento

Ela

(a cidade)

É construída na regra poética

Na musicalidade do tempo quente

Encravada entre veredas

No rumorejo do sertão.

Nenhum comentário: