O terrorismo midiático contra Cuba


Foto: Google


Os movimentos sociais e as forças progressistas devem erguer a sua voz em defesa da soberania cubana e contra os novos intentos desestabilizadores do imperialismo

.

Editorial ed. 369

.

A “greve de fome” e a morte, em 23 de fevereiro, do preso Orlando Zapata desencadearam uma nova onda midiática contra Cuba. Os jornalões decadentes das elites e as poderosas redes de televisão dos Estados Unidos e da Europa deflagram a campanha e logo foram seguidos pelos barões da mídia colonizada do Brasil. Quase todos os dias, Estadão, Folha e Globo gastam tinta e papel para satanizar o regime cubano, tentando fazer a cabeça dos chamados “formadores de opinião”. Já as televisões, em especial a toda poderosa Rede Globo, massificam o terrorismo midiático contra Cuba para milhões de inocentes telespectadores, incapazes de perceber tamanha manipulação.

.

É verdade que esse tem sido sempre o papel da mídia burguesa. Seus meios de comunicação fazem parte naturalmente do projeto imperialista, como se pôde perceber no trabalho prévio de conhecimento à invasão do Iraque, a construção do inimigo Saddam, etc. Aliás, Antonio Gramsci, ainda no século passado, já nos alertava que a mídia é o verdadeiro partido do capital.

.

A hipocrisia da mídia é repugnante. Ela tem o cinismo de transformar um delinquente comum em preso político. Zapata, o novo herói do imperialismo e da mídia, nunca sequer figurou na lista de “prisioneiros de consciência” do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), sempre tão rigoroso contra Cuba. Seus problemas com a justiça cubana eram antigos e sua folha corrida era imensa: “violação de domicílio” (1993), “lesões menos graves”, “furto”, “porte de arma branca”, “fratura do crânio de uma vítima com uso de machado” (2000) e “perturbação da ordem pública” (2002).

.

Apesar dos crimes comuns, a justiça cubana ainda permitiu que Zapata fosse libertado sob fiança em março de 2003. Poucos meses depois, ele cometeria novos crimes e seria condenado a três anos de prisão. Mas a sentença foi dilatada devido à péssima conduta na cadeia. É neste período que este delinqüente comum foi abordado pela chamada “dissidência cubana”, financiada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos e pelas fundações de fachada da estadunidense Agência Central de Inteligência (CIA).

.

Como relata o sociólogo Atílio Borón, “é neste marco que se produz sua milagrosa metamorfose: o meliante repetidamente encarcerado por cometer numerosos delitos comuns se converte em um ardente cidadão que decide consagrar sua vida à promoção da ‘liberdade’ e da ‘democracia’ em Cuba. Espertamente recrutado por setores da ‘dissidência política’ cubana, sempre desejosa de contar com um mártir em suas esquálidas fileiras, impulsionaram-no irresponsavelmente e com total desprezo pela sua pessoa a levar adiante uma greve de fome até o final”.

.

A sua lamentável morte, ocorrida apesar dos esforços dos médicos cubanos para evitá-la, deu a senha para a nova ofensiva midiática contra a ilha rebelde. A desinformação é total. Fala-se em milhares de presos políticos e torturados em Cuba. Pura mentira. Até sinistras ONGs de direitos humanos afirmam que há “menos de 50 presos de consciência” no país – bem menos do que os 7.500 da Colômbia, que a mídia omite. Elas também nunca registraram casos de tortura em Cuba – a não ser na base militar dos EUA em Guantánamo, famosa por suas barbáries.

.

Além disso, a maioria dos “presos políticos cubanos” tem notórios vínculos com o imperialismo, recebe dólares da CIA e freqüenta assiduamente o Escritório de Interesses dos EUA em Havana. Em qualquer outro país, eles seriam condenados por alta traição. O Código Penal dos Estados Unidos da América, por exemplo, prevê pena de 20 anos para quem proponha a derrubada do governo constitucional; de 10 anos de prisão para quem emita “falsas declarações com o objetivo de atentar contra os interesses da nação”; e de três anos para quem “mantenha relação com governos estrangeiros”.

.

O veneno midiático contra Cuba, inclusive o destilado pela colonizada mídia nativa, tem vários motivos. Ela não tolera que esta ilha rebelde resista a 50 anos de criminoso bloqueio econômico, que já resultou em bilhões de prejuízos ao povo cubano. Ela não compreende porque mais de 640 tentativas de assassinato do líder da revolução, Fidel Castro, tenham falhado. Ela quer apagar os exemplos cubanos, que ainda animam as lutas de povos de vários países com as suas avançadas políticas sociais, sua heróica defesa da soberania nacional e sua solidariedade internacionalista.

.

Diante deste brutal terrorismo midiático, os movimentos sociais e as forças progressistas devem erguer a sua voz em defesa da soberania cubana e contra os novos intentos desestabilizadores do imperialismo. Como afirma o manifesto “Em defesa de Cuba”, assinado por intelectuais, artistas e lutadores sociais do mundo inteiro – e que continua aberto a adesões –, é urgente se contrapor a esta nova ofensiva. “Pretender justificar a intromissão nos assuntos políticos internos do povo cubano manipulando midiaticamente o caso Orlando Zapata – delinqüente comum e não um preso político – coincide com as políticas contra-insurgentes que se aplicam na América Latina para deter os processos de transformação emancipadora que estão em curso na região”, alerta o texto.

.

Estaremos firmes em defesa da soberania de Cuba e contra essas ofensivas imperialistas.

.

BRASIL DE FATO.com.br

Um comentário:

M. de Moura Filho disse...

Ô, poeta, você acredita mesmo nesta baboseira?
Só pode ser um sarro que tá tirando...