sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Fotografia de Mallarmé


é uma foto
premeditada
como um crime
basta
reparar no arranjo
das roupas os cabelos
a barba tudo
adrede preparado

- um gesto e a manta
equilibrada sobre
os ombros
cairá - e
especialmente a mão
com a caneta
detida
acima da
folha em branco: tudo
à espera
da eternidade

sabe-se:
após o clique
a cena se desfez
na rue de Rome a vida voltou
a fluir imperfeita
mas
isso a foto não
captou que a foto
é a pose a suspensão
do tempo

agora
meras manchas
no papel rastro
mas eis que
teu olhar
encontra o dele
(Mallarmé) que
ali
do fundo
da morte
olha

Ferreira Gullar

1 comentários

CESAR CRUZ disse...

Ferreira Gullar! Gosto muitíssimo de sua obra. Tenho dele o livro, que na verdade é um único poema, e pouca gente sabe, Poema Sujo. Uma delícia.

Adorei este poema, que eu não conhecia.

Obg, Emerson,
Abço forte
Cesar

em tempo: estás no Maranhão, amigo?
em tempo2: qdo puderes, volte a pôr aquele sensacional comentário no meu blogue que eu fiz o favor de deletar, por engano!!! Não me conformo!!!

abço de novo