O abraço do escorpião

Emerson Araújo
.
O grito estridente de Aparecida às duas horas de uma madrugada seca fez a rua acordar. Lâmpadas acesas, os vizinhos pelas frestas das portas.
.
Aparecida dentro da rede de cordas velhas, tremia em convulsão. Vovó Perpétua cambaleando foi a primeira a se levantar, não tinha nenhum ungüento em casa, na perna de Aparecida a marca da telson pelo fio de sangue esverdeado. No Mil Réis era comum as lacraus saírem à noite a procura de comida.
.
A perna de Aparecida continuou a roxear, minha prima não chegaria à manhã seguinte. Uma lágrima desceu do meu rosto, não teria mais nas noites de chuvas torrenciais o corpo quente, o cheiro de azeite de mamona daqueles cabelos espichados e nem o odor quase insuportável do frasco de príncipe negro derramado debaixo dos braços.
.

Não tinha jeito, o veneno agia lentamente sobre aquele corpo azeitonado, sem piedade. Logo, logo, Aparecida estaria dentro de um caixão de madeira frágil. O rosto lívido, flores amarelas enfeitando a manhã seguinte.
.
Vovó abriu a porta, saiu, quando retornou, trouxe Padrinho Adão.
.
Padrinho cuspiu o fumo mascado na entrada da porta, tirando do pequeno alforje de brim azul uma faca miúda, amolada. Sobre Aparecida fez o que tinha de ser feito. No outro dia, eu voltaria a Oeiras.

No mês de dezembro, voltei ao Mil Réis novamente para as férias de fim de ano, Aparecida com um alguidar na mão separava o feijão da safra de abril, um par de muletas encostado à parede sem reboco fazia parte do cenário.

2 comentários:

companheirosdeestrada disse...

fisica e metafisica(numa terça-feira)

as ciencias exatas...
na sua morredoura hermetica...
nos contenta olhar....
já a metafisica dos vivos-mortos(ditos vivente sobre a face da terra)
prenhe de possibilidades....
desafiam-nos a razao o tempo todo....
bem dizia o inhota
ser o ser ou nao ser nada....

(TOINHO)

CESAR CRUZ disse...

Curto, rápido e contundente, como a picada do maligno!

abç
Cesar