Carta do Sanatório Meduna II (2009)


caríssimo poeta irmão emerson araújo,

a minha idéia é a seguinte: mas, antes de tudo, leia texto que fiz sobre herbert parentes fortes. eu não sabia que o homem era tão importante assim, rapaz. vou criar o instituto herbert parentes fortes para, entre outros objetivos, reeditar todas as obras dele e discutir altos estudos da língua portuguesa e, pela terrinha, a nossa literatura brasileira de autores piauienses.

a proposta é tomar prédio do auditório herbert parentes fortes e fazer dele sede do instituto. construir ao lado, do lado direito, de quem vai para a secretaria do planejamento, um prediozinho, sem ferir a arquitetura do próprio auditório e nem do prédio edifício chagas rodrigues, que é tombado pelo patrimônio público (é um dos primeiros, acho que o primeiro mesmo de feição moderna no piauí - e, antes, já postei matéria específica sobre o assunto). tenho certeza que a nossa kaki afonso, outra don quixote, nos ajudará nisso. agora doutora, mais sabida ainda, saberá resolver essa questão de espaço, sem ferir nada, que ela nunca é disso, a não ser ferir meu coração que está à espera do coração dela se esquentar para o meu lado há muito tempo, mesmo que esteja ela morando, como está morando, na espanha. mudo para lá e vou a cuba, de quando em quando com você, colibri e minha indiazinha jaqueline.

a recuperação do auditório herbert parentes fortes eu, pessoalmente, já fiz quase toda, quando dava aulas lá, gratuitamente, nos finais de semana, até que, por ordem do osmar júnior, que era vice-governador e havia indicado o diretor do DER-PI, fui expulso do prédio. enquanto ele estava todo arrebentado, sem ar, sem teto, sem cadeiras, sem portas dos banheiros etc e tal, eu podia ocupá-lo para fazer a sua devida recuperação, como eu fiz. E o professor Bartolomeu, seu amigo, muito me ajudou nisso, bancando algumas despesas. Em troca, por sinal, ele também andou ministrado aulas por lá, durante mais de mês. Porém, aulas para o pessoal do colégio dele, o Corujão. e, agora, está melhor, que podemos eliminar a central de ar condicionado e colocar esses aparelhos novos de ar. ganhamos espaço e economizamos energia.

podemos, ao mesmo tempo que ministrar aulas, promovermos altos debates, ceder o espaço para shows, peças, projeções de filmes, dentre outras atividades. são duas salas, como você sabe. uma, com palco, outra sem palco. Caso você consulte pessoas como o josé elias arêa leão, dr. noronha filho, geraldo brito, claudete dias, quaresma, durvalino couto filho, edvaldo nascimento, garibaldi ramos, paulo de tarso libório, assai campelo, lorena campelo, aci e carmem campelo, rita maria cavalcanti, lari sales, fábio costa, arnaldo albuquerque, edmar oliveira, galvão, albert piauí, amaral, paulo moura, william melo soares, luiza vitória tajra, m. de moura filho, airton sampaio, josé pereira bezerra, joão luiz rocha do nascimento, chico castro, beth rêgo, graça vilhena, o presidente cineas santos, alzira souto, dogno içaiano, aureliano müller, dentre outras, terá depoimentos de altos debates, shows, peças, projeções de filmes, dentre outras atividades que ali foram realizadas. Eu tenho algumas fotos desse tempo e estou na tocia de mais, com o aureliano müller, assai campelo, dogno içaiano, quaresma, arnaldo albuquerque, dentre outros que registavam tudo com as suas máquinas fotográficas. da década de 1970, atire a primeira pedra quem não freqüentou os grandes debates, os grandes shows, as grandes peças, os grandes filmes, os grandes amassos e outras grandes coisas similares no auditório herbert parentes fortes?

quero depoimento de cada um que viveu e vive, de memória aberta, aquele tempo. portanto, pare tudo que está fazendo e passemos a pensar na ocupação do auditório herbert parentes fortes para estes fins, poeta amigo irmão. pode ser na civilização ou na bábarie. temos, agora, um grande aliado no governo wellington dias, que é o xará dele wellington soares, também freqüentador do herbert parentes fortes naqueles bons tempos. vamos, então, articular conversa com todo mundo que possa nos ajudar a concretizar a idéia do instituto herbert parentes e a ocupação pacífica do auditório herbert parentes fortes. contudo, havendo resistência, será a hora da barbárie, do tudo ou nada. porrada em cima dos burocratas cretinos que queiram nos barrar. Porém, eu creio que não encontremos resistência alguma. o auditório herbert parentes fortes está fechado há muito tempo. e, pelo andar do jabuti, se não o tomarmos de assalto, assim permanecerá até que ele cai de podre. antes disso, façamos dele a nossa batalha do ano.

conto com você, meu bom amigo irmão para continuarmos no velho sonho de dar educação, cultura e lazer sadios para o nosso povo, como tentamos, mais uma vez, no segundo e curto governo hugo napoleão, quando eu estava na direção da biblioteca pública estadual desembargador cromwell de carvalho e, por criar cursinho comunitário, escola de informática, oficina de arte, sala de restauração, curso de línguas, reformar restaurante para oferecer comida para o povo, fui exonerado do cargo, processado e quase preso. por conta disso, sou proibido de entrar na fundação cultural do piauí, que me tem como servidor desde dezembro de 1978. por conta disso, até meu salário eles tiraram lá. voltou depois de muita confusão que eu fiz. quase nada, depois dos decontos - tem mês que recebo 70 reais, tem mês que recebo 50 reais. esse mês, por exemplo, com a tomada do banco do estado do piauí pelo banco do brasil, eu fique devendo ao banco por conta de tanta taxa. até para se respirar dentro do banco do brasil pagamos taxa. por isso, caro amigo irmão, nem na calçada do banco do brasil eu ando mais. fujo de suas agências como o cão da cruz.

2009, ano das grandes realizações. e eu não tenho tempo a perder. só quero saber do que pode dar certo. torquato neto nas cabeças e no coração do povo, que a cidade é um ovo. wall ferraz, de saudosa memória. não se deixe de mim. beijos kenardianos.

Nenhum comentário: