Sob as chuvas de dezembro


Emerson Araújo

Sob as bênçãos da chuva serôdia sem fim
Vai-se montando um cálice de orvalho
E no vinho tinto e seco de dezembro
Ouve-se o dedilhar no bandolim


Agora, levantar um poema
Em bandeira de cetim
E vicejar em você
Algumas primícias de mim.

Nenhum comentário: