Poema de outubro

Imagem: Google

Emerson Araújo

Para Airton Sampaio de Araújo, Manuel de Moura Filho, João Luiz Rocha do Nascimento, Bezerra JP, Fifi Bezerra, Jacinto Teles e Márcia Mascarenhas.

O poema ainda é meu grande desafio
A minha melódica contrapartida
Nesta sigla posta entre castiçais
E dédalos generosos.

Por isso preciso vencê-lo
Antes da madrugada finda
Antes do antes
De tantos medos depositados
Sobre o rumorejo
E o labirinto dentro de mim.

Mas o que fazer diante do desafio
Pois não tenho mais a lua do cenário
Nem a iluminação do olhar que apontava
Silêncio e gemido
Lágrima e sopro
Em papel de seda
E pluma de algodão.

Agora o meu grande desafio
Não tem reabilitado nenhum perdão
Nem me ofertado cálice de vinho tinto
E tudo é barulho imaginário
Ponta de estrela sobre a barranca dos rios
No cais subjetivo de outras festas

Mas preciso vencer o desafio de indicar o sonho
Na face da dura palavra
Na seiva que escorrega depois da exaustão
E o sonho, ah, o sonho que antecede o perfume
Será entregue com pompa e ternura
Neste aço da letra vulnerável
Neste sentimento turbinado de coração.

Nenhum comentário: