Espadas e bandolins


PARA KENARD KRUEL E ADRIANO LOBÃO

Emerson Araújo

Estendi uma pétala de carola sob a névoa desta noite
E a cidade foi se abrindo lentamente entre abraços e mistérios
Eis que surgiu uma tarefa ardente
Um querer plural sobre todos os aromas
Em ponto final.

Mas a canção continuou a barulhar o encanto
E a melhor palavra foi burilada por uma espada espargida
Na sombra do quintal ou nas varandas da rede
Em águas espelhadas do rio interior.

Surgiu o cantor no umbral a dedilhar uma música ao vento
Um vocábulo doce uma vontade de encontrar o melhor acorde
Agora no bandolim emprestado
Eis que canção e sonho também
São lenços de estrada
Puro carmesim.

Um comentário:

Adriano Lobão disse...

Um belo poema, meu amigo.
Agradeço-lhe a dedicatória.